segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Peça teatral SEMENTINHA E O VENTO


(Jaqueline Marli da Costa)
Era uma vez uma sementinha bem pequenininha e frágil, mas muito corajosa.
          Ela estava repousando em cima de uma pedra, quando sentiu uma leve brisa lhe tocar. Depois passou por ela um vento tão forte, que quase a carregou.
          __ Oi sementinha! O que faz aí parada, sem fazer nada?
          __ Estou descansando, amigo vento. Eu queria encontrar um lugar para morar. Gostaria de me transformar em uma bela árvore. Esse é o meu sonho.
          __ Bem, eu vou fazer uma viagem por aí e conhecer lugares  novos. Se você quiser, pode vir comigo.
          __ Que amável, você! Quero ir sim. Vai ser legal conhecer lugares diferentes. Quem sabe se não arranjo um lugar para morar?
          E lá se foram eles, fazer a viagem. O vento feliz com a companhia da semente,  levando -  a  pela mão com muito cuidado, pois gostava muito dela.  Depois de voarem por um bom tempo, passaram por uma linda praia e viram um enorme mar azul, cheia de barquinhos,  peixes e pessoas nadando bem felizes. E o vento perguntou:
          __ Sementinha, aqui parece ser um lugar legal para se viver. Você quer morar aqui?
          A sementinha olhou para o peixe dourado que a fitava e perguntou:
          __ Peixinho, posso morar aqui com vocês?
          O peixinho, respondeu com sinceridade:
          __ Sementinha, aqui a água é muito salgada. Você não conseguirá sobreviver e vai se afogar.
          A sementinha ficou meio triste...
          __ Não se preocupe, sementinha, vamos visitar outros lugares e quem sabe se não encontraremos o ideal para você?
          Então o vento continuou levando a sementinha. Voaram daqui e dali. Chegaram a um lugar bem alto que ficava entre as nuvens. Era o ponto mais alto de um pico. A semente começou a tremer de frio. O vento indagou:
          __ Sementinha você quer morar nesse lugar?
          A sementinha, meio trêmula de frio, perguntou à nuvem:
          __ Posso morar aqui com vocês, nuvenzinhas?
          __ Sementinha, aqui é tão frio! Você vai se congelar!            
E o vento levou a semente mais uma vez em busca de um lugar legal. Passaram por lugares esquisitos, por entre cavernas,  chegaram a um deserto cheio de grãozinhos de areia.
          __ Sementinha, e aqui, você quer morar?
          A sementinha, já ofegante, de tanta sede, perguntou aos grãozinhos que por ali estavam:
          __ Grãozinhos, posso morar aqui com vocês?
          __ Aqui é muito quente, querida. Acho que você não vai resistir. Correrá o risco de secar e morrer.
          Já desanimada e muito cansada, a semente foi novamente com o vento. Depois de horas de viagem, o vento avistou um lugar onde havia muita terra.
          __ Sementinha, talvez  aqui seja um bom lugar para você morar.
          Carinhosamente, a sementinha sussurrou no ouvido da Terra:
          __ Terrinha, você me deixa morar aqui com você?
          A Terra, muito feliz, disse:
          __ Que felicidade é receber você em meu leito amiguinha! Vou chamar  meu amigo, o homem, para ajudá-la a se acomodar.
          Veio o homem com a sua enxada, afofou a terra, fez uma covinha e com muito carinho, colocou a sementinha, que feliz, adormeceu profundamente. Ele a cobriu com o manto de terra, deu-lhe um pouco de água para matar-lhe a sede, e um pouco de adubo para que ficasse alimentada e forte.
          A sementinha ficou adormecida por vários dias. 
A Terra ficava velando o seu sono, dia e noite.
 O vento vinha refrescar-lhe enquanto dormia.
O homem sempre vinha ajeitar-lhe a coberta e dar-lhe água.
Até que um dia, a semente acordou, se espreguiçou e viu que tinha criado raizinhas. Com todo o cuidado do homem, ela cresceu rapidinho, encheu-se de galhos.
A mãe natureza fez brotar em seus galhos, lindas folhas verdinhas e muitas flores que exalavam um delicioso perfume pelo ar, atraindo vários animaizinhos, que vinham retirar pólem. Ela se tornou a mais bela árvore daquele lugar.
Mais tarde, suas flores viraram deliciosos frutos, que exalavam um doce aroma pelo ar.
O homem veio com sua família e sentou-se debaixo da sua sombra, para descansar. Colheu alguns frutos e comeram deliciosamente. Ele teve a idéia de fazer um balanço para seus filhos se divertirem. Assim a linda árvore se viu repleta de amigos que a visitava todos os dias.
O vento também a visitava e lhe contava suas aventuras pelo mundo.
__ Valeu a pena ajudá-la, sementinha. Você se transformou em uma bela árvore!
__ Obrigada, amigo Ventinho!
Sabem quem também gostou dessa idéia? Os pássaros, as abelhas, as borboletas e quem mais passasse por ali e quisesse descansar debaixo daquela árvore de laranjeira. ( Entram crianças fantasiadas e dão voltas ao redor da árvore)

Nenhum comentário:

Postar um comentário